cep 20.000 - centro de experimentação poética


 

UM STRADIVARIUS NA CHUVA / CEP DE ABRIL DE 2010

                                                            zuca sardana

 

Teve um CEP ontem. Clássico. Didático. As always. Agora com a abertura de um grupo falando seus poemas acompanhado por um produtor de sons. Ontem foi a estréia mundial da série “Crianças Insuportáveis” Volume I. Com a curanderia de Mariano Marovatto e a presença de mais quatro poetas. Admirei a força e a firmeza da voz de Laura Liuzzi, que recém lançou “Calcanhar” seu primeiro livro pela 7 Letras. Laura tem a perícia de quem escreve com um cinzel. A qualidade de Beatriz Bastos, que não conhecia. Seu poema prosa em tom de conversa fala de flores e gatos bilíngues. Excelência. Lucas Viriato e seus textos viajantes com camelos e elefantes. O Ismar, nem tenho o que falar. O desentortador de penachos e desbravador do esquisito. E Mariano? Anda o diabo. Fez um poema falante, ardiloso, cheio de arbítrios. Gostei da fúria. “Crianças Insuportáveis”: bom pra cachorro. Um coletivo de poetas. Uma poetanagem (poetas com alta octanagem).

Depois um tricolor inspirado, Augusto Guimaraens. Fez sua estréia como Trovador Solitário. Letras /poemas tralalantes estraçalhantes que falam de anjos alienados em momentos de lisergia. Augusto tem a manha. Traz a melodia para dentro de poema e manda bem.

Cristina Flores e Gabriel Fomm revisitaram Ieda Magri. Aí um monólogo com tintas de teatro com a querida Chris e o magistral Gabriel cantando Sérgio Sampaio. Ouvir de novo “Filme de Terror” em que Sérgio mistura “o cemitério do caju com o cine império da tijuca”, machuca fundo. Chris e Gabo lindos. Só eles, uma efeméride.

Então entraram Os Fabulosos com os clowns Cesar Tavares e Marcos Camelo e mais uma menina que faz uma bêbada impagável. Desculpem mas não sei o nome dela. Os Fabulosos fizeram misérias no palco do CEP. Números de prestidigitação. Transmutações de fazer murchar a crista de Paulo Barros da Unidos da Tijuca. A transformação do palhaço Cesar Tavares em algo como uma oncinha estapafúrdia foi de se beliscar. Sim aquilo era verdade. E Marcos o faz saltar um arco em chamas, sob a ajuda tronxa da moça que não sei o nome. Foi um momento grandioso. Grandiloqüente. Um ápice nesses 20 anos de CEP. Grato Fabulosos. Vocês extrapolaram.

Walney Costa entrou e fez sua performance “Poemáscara”. Visualmente um impacto com seu parangolé de Poemáscara. Mas explicou o projeto e perdeu o "timing". Faltaram os músicos presos na chuva e no trânsito. Mas foi a poesia em performance plástica. E enriqueceu a noite e seu embornal de imprevisíveis atrações. Assim é o CEP há 20 anos. Coisas acontecem que não tenho muito controle. Vou apenas saravando. Isso dá uma algaravia interessante, um mix bem abrangente. Gosto disso. Trabalhar com a diferença, sem deixar de ser seletivo. Mas ontem por conta da chuva e do jogo, com pouco público, o final foi um tanto arrastado.

Isto é, até entrarem Tavinho Paes, Betina Kopp e Arnaldo Brandão. Foi a qualidade dos meus caros dignossauros e a vitalidade genial de Betina. Foi um gran finalle para poucos e felizardos. Um texto inédito e na veia de Tavinho. Um diálogo telefônico entre um político corrupto e uma dama de programa, acompanhado no violão por Arnaldo cantando “Sorria! Você está sendo filmado !”. Um drama a estilo Tavinho, cheio de intrigas e trairagens.

Foi um zíper espetacular para um CEP que fez jus ao nome de Centro de Experimentação Poética. Sem nenhuma pretensão didática, um observador pode perceber o desejo que a palavra tem de se exprimir como um suco de delícias. Seja falada, cantada, atuada, performada, essa coisa ambíqua, feita basicamente para se comunicar, mas que ganhou funções outras, tenta também diversas estratégias para dar o seu melhor de si. Sob o olhar pasmo da Maria e seu cameraman, memória viva do centro.

Que venham mais, que venham outros – o próximo no dia 26 de maio. Em junho só se a Prefeitura quiser. Há de querer, afinal são poetas, músicos, artistas, cidadãos cariocas, tentando sair do registro, experimentando novos ritmos, outras possibilidades de se expressar bem e de ser feliz. CEP 20.000, 20 anos de alkymya dedicados ao Professor Fumegas. Viva Zuca Sardana !

                                                                zuca sardana



Escrito por cepchacal às 09h51
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


vinde ao cep, insuportáveis crianças eletrificadas.

ps: sérgio mello ficou de pintar. se pintar q pinte armado de um texto de sua clarividência. será recebido a pão de ló.



Escrito por cepchacal às 10h24
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ ver mensagens anteriores ]
 
Histórico


Votação
Dê uma nota para
meu blog



Outros sites
 inverno de julho
 romã neptune
 lorena poema
 ubuweb
 carol bru
 jaguadarte
 as escolhas afectivas
 artéria 8
 aerograma
 augusto de campos
 chacalog
 radiocaos
 ademir assunção
 ´revista cronópios
 verbologue
 mário bortolloto
 fernanda d'umbra
 ivana arruda leite
 arruda
 joão paulo cuenca
 paulo scott
 cardoso
 bruna beber
 cecília gianetti
 robson leite
 os sátyros
 jack kerouac
 willian burroughs
 rosa de plutão / bárbara araújo
 pirata Z
 erratica
 caroluisa
 sobrecasaca
 numa noite qualquer
 nem queiroz
 brogue - raul mourão
 caio caio
 AVIVA / glauceguima
 DIGINÓIS